Revisão do episódio 3 da 8ª temporada de The Walking Dead: Monstros


Esta Mortos-vivos a revisão contém spoilers.


The Walking Dead, temporada 8, episódio 3

Mortos-vivos O enredo da guerra não está funcionando. Embora eu gostasse de 'Monstros' um pouco mais do que o chato “The Damned” da semana passada, o episódio ainda cai em muitas das mesmas armadilhas. O que este episódio está dizendo que não tínhamos ouvido antes neste programa?

Os escritores passaram muito tempo colocando muitos desses personagens sob um microscópio ao longo dos anos, examinando como eles mudaram ao longo do pós-apocalipse, que linhas eles estão dispostos a cruzar para sobreviver e se eles são bons ou ruins . Mas todos nós sabemos agora que Rick e companhia estão em algum lugar no meio - com exceção de personagens como Maggie, que continua a ser graciosa na melhor cena deste episódio - então gastando tanto tempo em como a guerra está “mudando” esses personagens é inútil. Simplesmente não parece que a série tenha muito a dizer com essa história.



Assistir Morgan perder a cabeça não é nada novo. Na verdade, até que ponto os roteiristas chegaram para fazer esse cara recair é bastante ridículo. É difícil acreditar que, depois que Morgan suportou a morte de seu filho e então encontrou a paz, o personagem teria uma recaída tão forte com a morte de Benjamin. Esta semana, Morgan decide se rebelar, executar alguns prisioneiros do Salvador e então lutar contra Jesus na floresta. A luta deles, aliás, é tão boba que poderia muito bem ter sido parte doFrango Robôespecial de algumas semanas atrás.


Sério, não parecia que Tom Payne estava interpretando a cena como se fosse para ser engraçado?

“Terminou, Morgan? Está acabado?'

É simplesmente ruim. E ainda por cima, nenhum dos outros mocinhos fez nada sobre Morgan atacar um dos seus. Tara, Jesus e o resto apenas o deixaram marchar para a floresta. O que está acontecendo mesmo?


Enquanto isso, Rick conversa com Morales, que aparece por alguns minutos para lembrar ao público que o pós-apocalipse muda as pessoas. Morales faz muitas das mesmas comparações cansativas que ouvimos sobre Rick por anos - que ele é tão ruim quanto o bandido, que fez coisas terríveis para sobreviver. Principalmente, sua breve conversa serve para dar corpo ao que aconteceu com esse personagem secundário depois que ele partiu com sua família para o Alabama. Eles nunca conseguiram.

Como Rick, Morales perdeu muito e a única diferença verdadeira entre ele e Rick é que ele está do lado oposto - e segurando a arma. Não que realmente importe que Morales esteja apontando uma arma para Rick, porque todos nós sabemos que Daryl, que está vagando pelo prédio, virá em seu socorro.

Em última análise, o retorno de Morales é tão importante quanto o próprio personagem, o que quer dizer que não é vital para a história. Estou bastante perplexo com a escolha de trazer Morales de volta nesta temporada, especialmente porque seu paradeiro não era algum tipo de grande mistério. Acho que a maioria dos fãs provavelmente concordou com a conclusão de que ele conseguiu ou não chegou a Birmingham. Isso parecia ser o suficiente.


A parte de Ezequiel e Carol do episódio apresenta a guerra com um tom completamente diferente. Os soldados do Reino quase parecem estar se divertindo, e isso tem tudo a ver com o quão irritantemente jovial Ezequiel é sobre ir para a batalha. Seus discursos esta semana são absolutamente irritantes. A cada episódio, esse personagem parece mais um personagem de desenho animado. Se o tigre e a entrega de Shakespeare não fizeram isso em primeiro lugar, esses dois últimos episódios definitivamente fizeram. E Ezequiel tem Carol sorrindo junto com ele.

Por que os escritores não deram a Carol nada de interessante para fazer desde a sexta temporada? No ano passado, ela passou a maior parte do tempo em uma casa longe de todos os outros personagens, e a oitava temporada a tratou mais como uma ajudante de Ezequiel. É um desperdício tremendo do melhor personagem do show.

O final do episódio mostra o esquadrão de Ezequiel sendo emboscado pelos salvadores. Os tiros das metralhadoras M2 Browning desaparecidas ecoam e atingem muitos dos soldados do Reino enquanto eles se dispersam. O corte repentino para o preto provoca que Ezequiel pode ter sido atingido, mas parece claro para mim que um de seus soldados levou as balas por ele. De qualquer forma, espero ver um Ezequiel muito diferente na próxima semana, alguém que esteja pronto para levar as coisas um pouco mais a sério.


Falando em não levar as coisas a sério, Xander Berkeley foi hilário esta semana como Gregory. O retorno do ex-líder do topo da colina ao seu assentamento foi a melhor cena da noite - talvez porque foi a única seção de 'Monstros' que não estava tentando mostrar as cicatrizes da guerra nos personagens. Gregory é simplesmente um covarde que não consegue sobreviver sozinho. Enquanto a cena parecia um pouco fora do lugar com o resto dos procedimentos e fiquei surpreso que Maggie o deixou voltar para o topo da colina, os poucos minutos com Gregory foram uma boa pausa.

As baixas finalmente chegaram à coalizão de Rick esta noite. Eric é o primeiro personagem recorrente a ganhar poeira na guerra contra Negan. Fiquei realmente surpreso que o show realmente o matou, considerando que ele foi baleado na semana passada e seu destino foi deixado em uma espécie de suspense. Normalmente, isso significa que um personagem será salvo no último minuto. Eu esperava que Eric fosse milagrosamente salvo esta noite, mas a baixa foi necessária.

Reclamei na semana passada que a falta de apostas do programa estava realmente barateando toda a história da guerra. Já que os personagens principais (e a maioria dos coadjuvantes) têm uma armadura de enredo óbvia para protegê-los, por que devemos nos preocupar com essas batalhas? Ninguém de quem gostamos vai morrer, então não há por que se preocupar com o que está acontecendo no terceiro episódio da temporada. Já sabemos o que está acontecendo: as grandes mortes acontecem durante as estreias e finais.

Se você se importava com Eric, que foi interpretado por Jordan Woods-Robinson, está além do ponto. Sua morte pelo menos mostra que nem TODOS estão seguros nesta temporada. É uma pena que tenha que ser um dos únicos personagens gays da série, mas espero que isso também signifique que vamos conseguir algumas histórias interessantes de Aaron, enquanto ele lida com a morte de seu marido.

No geral, 'Monstros' é outra hora maçante de Mortos-vivos que estou feliz em deixar para trás. Nunca pensei que diria isso, especialmente depois do primeiro semestre terrivelmente lento do ano passado, mas toda a ação nesta temporada acabou sendo um pouco entediante. Parabéns, universo, você venceu.

John Saavedra é editor associado da Den of Geek US. Encontre mais de seu trabalho em o site dele . Ou apenas siga ele no twitter .