Revisão do episódio 13 da 7ª temporada de The Walking Dead: Bury Me Here

Esta Mortos-vivos revisão contém spoilers.


The Walking Dead 7ª temporada, episódio 13

Parece que Mortos-vivos realizou um milagre esta semana, servindo uma segunda hora genuinamente excelente de televisão depois do fantástico “Diga Sim” da semana passada. Quase parece que o show poderia realmente sair do buraco que fez no 7A. Se as últimas duas semanas provaram alguma coisa, é que Mortos-vivos está muito melhor sem Negan ou a bagagem de quadrinhos que ele traz. Esta segunda metade da temporada eliminou um pouco a abordagem da pintura por números, e é melhor para ela.

Mais importante ainda, 'Bury Me Here' é a primeira hora passada no Reino que realmente vale a pena assistir. Já reclamei antes que os episódios do Reino pareciam realmente fora de lugar com o resto da temporada, especialmente o bizarro 'The Well', que seguiu a estréia da temporada ultra dark e violenta com um episódio principalmente alegre que não se encaixou em absoluto. Também não ajudou o fato de 7A quase não ter passado algum tempo com Ezequiel e seu povo após sua apresentação inicial.



Mas “Bury Me Here” é um passo na direção certa em termos de fazer você se importar com esses personagens. Houve muita construção com Richard e finalmente valeu a pena esta noite. No final das contas, Richard é bem-sucedido em sua missão de iniciar a guerra entre o Reino e os Salvador, embora as coisas não saiam como ele planejou. Embora talvez alguns possam chamar Richard de bom rapaz, um mártir incompreendido, ele falha em ver o quadro geral até o fim. Richard tem uma visão singular, uma loucura interna que descobrimos é causada pela morte de sua própria família, e é o que faz com que o jovem Benjamin seja morto.


Não é muito surpreendente que Benjamin tenha morrido esta noite, honestamente. A curiosidade do show com este personagem aparentemente sem importância marcou-o para a morte desde o início. Benjamin me lembrou um pouco do Noah da 5ª temporada, na verdade - um sobrevivente jovem o suficiente para ainda carregar um pouco de esperança nele. Como Noé, que morreu cerca de trinta minutos depois de expressar seu interesse em se tornar arquiteto, Benjamin esperava aprender a ser um grande guerreiro do Reino a fim de proteger seu irmão mais novo e o restante de seu povo. E não ajudou que ele parecia gostar de Carol e esperava aprender com ela. Como todos sabemos, personagens jovens não se dão bem quando se associam com Carol.

Por falar em Carol, estou tão feliz que este episódio finalmente deu a ela algo para fazer, mesmo que não fosse muito. Pelo menos nós finalmente conseguimos vê-la destruindo alguns zumbis - e com uma placa de rua! Melissa McBride continua a ser um destaque neste elenco, e ela fica ainda melhor ao compartilhar cenas com Lennie James e Norman Reedus. Eu realmente gosto da improvável 'amizade' de Carol com Morgan, e espero que eles continuem próximos, mesmo quando Morgan vai para o exílio.

A breve recaída de Morgan foi um pouco forçada, não foi? Eu entendo que a morte de Benjamin o fez ter flashbacks e que um pai nunca pode realmente superar o trauma de perder um filho, mas pareceu um pouco surreal quando ele ficou furioso com Richard (que, novamente, merecia totalmente - e queria - morrer esta noite). A vez de Morgan pareceu mais conveniente para a trama do que a progressão real do personagem. Nunca houve qualquer dúvida de que Morgan mataria novamente - havia até um pouco de prenúncio cada vez que alguém o lembrava que ele tinha que matar para sobreviver - mas parecia um pouco forçado neste episódio. Mas, novamente, ele permaneceu tão passivo ao longo da temporada que eu acho que era apenas uma questão de tempo até que ele explodisse. Pode me chamar de meticuloso, mas pareceu um pouco repentino.


Caso contrário, “Enterre-me aqui” faz um ótimo trabalho ao finalmente vender o Reino como um lugar onde devemos passar um tempo. Ele também leva a história adiante com muita eficiência. Quase não há gordura neste episódio, o que é impressionante considerando que a série se tornou um monstro inchado nesta temporada. “Bury Me Here” é mais uma prova de que as coisas que funcionaram para Mortos-vivos no passado - histórias originais que fogem dos quadrinhos e dos tempos de execução padrão - ainda funcionam agora. Realmente parece que este show está finalmente recuperando o equilíbrio. Claro, eu estive errado antes.

John Saavedra é editor associado da Den of Geek US. Encontre mais de seu trabalho em o site dele . Ou apenas siga ele no twitter .