Crítica do episódio 15 da 6ª temporada de Fear the Walking Dead: USS Pennsylvania


Fear the Walking Dead 6ª temporada, episódio 15

Bem, aqui estamos nós, a apenas uma semana do final de outra temporada de Temer os mortos andantes . O engraçado sobre 'USS Pennsylvania' é que ele joga mais como um final de temporada, ao invés do penúltimo episódio. Você tem que se perguntar o que pode acontecer a seguir, agora que o final de jogo mortal de Teddy (principalmente) foi colocado em movimento. Isso não Medo não flertou com a aniquilação nuclear antes - mas desta vez certamente parece que é para sempre. “USS Pennsylvania” é o melhor episódio da temporada? Não, mas ainda há muito sobre isso que funciona.


Como o Teddy Maddox de John Glover. Nós vimos muitos antagonistas irem e virem ao longo dos anos, mas Teddy não é o vilão comum da semana. Ele não está interessado em acumular poder, mas sim em oferecer à humanidade sua versão de um novo começo. E se isso significar que ele e seus seguidores morrerão no processo? Que assim seja. Teddy é mais do que apenas um líder carismático, ele é um mártir em formação. Certamente ajuda o fato de Glover desaparecer completamente no papel, retratando Teddy como avuncular, mas ameaçador. É fácil entender como ele converteu tantas pessoas à sua causa, mesmo que isso signifique a morte coletiva de seus seguidores.

Bem nãotudoseus seguidores. “Sioux” (nascida Dakota) e Teddy são duas ervilhas em uma vagem. Isto é, exceto quando se trata de martírio. Dakota pode tirar uma vida, mas a filha de Virginia não está pronta para morrer. E é exatamente isso: para fazer parte da causa de Teddy - ser um cruzado inaugurando uma nova ordem mundial - é preciso realmente ser altruísta. Isso é um grande pedido para qualquer um, especialmente para um recém-convertido como Dakota. Ela pode ter resgatado Morgan em Humbug’s Gulch, mas o altruísmo não é realmente o seu feitiço. Zoe Colletti é ótima neste episódio - não apenas em suas cenas com Glover, mas com Colman Domingo também. Como Glover, Colletti traz muito para a mesa esta semana. Por mais confiante que Dakota esteja, ela é vulnerável e em conflito também. É vital para o episódio que Colletti torne a turbulência interna de Dakota tão crível.



Ainda assim, por mais que aprecie a capacidade de Colletti de trazer profundidade real para Dakota, não posso deixar de sentir que já estivemos aqui antes com Charlie. Se você se lembra, o ex-Abutre também estava em conflito, voltando-se contra as mesmas pessoas que procuravam resgatá-la de si mesma. Charlie foi em grande parte relegado a um segundo plano, especialmente nos últimos tempos. É uma pena que não pudemos vê-la se tornar uma influência mais positiva para Dakota.


Mas estou divagando. Ainda estamos discutindo o que funcionou neste episódio!

Adorei as cenas entre Morgan e Strand. Lennie James e Domingo são atores sólidos e sempre contribuem com 110% para seus papéis. Há muito atrito entre os dois, especialmente quando escalados como o último casal estranho desta temporada. Enquanto Morgan é altruísta, Strand é egoísta. Quando um é corajoso, o outro é confiavelmente covarde. Como Teddy, Morgan está disposto a se sacrificar pelo que acredita ser o bem maior. Strand, nem tanto.

É aqui que 'USS Pennsylvania' começa a tropeçar em si mesma, dobrando-se para justificar as instáveis ​​motivações do personagem. Sim, Strand está disposto a salvar o mundo ... mas apenas se isso o fizer parecer bem aos olhos de Alicia? E ele está disposto a sacrificar Morgan para isso? Sério agora. O que é pior é Medo quer que acreditemos que eles matariam Morgan fora das câmeras. Eles não o trouxeram de volta dos mortos nesta temporada apenas para que ele encontrasse um fim tão vergonhoso.


Eu aprecio que Dakota esteja inesperadamente posicionado para ser o juiz, júri e carrasco de Strand. Naquele momento, quando ela tem Strand em vista, acreditei que ele finalmente chegou ao fim da estrada. Depois de tudo, se Dakota pudesse matar John , ela é capaz de matar qualquer um. Depois do que ele fez com Morgan momentos antes, eu estava quase pronto para ver Strand conhecer seu criador. Até o próprio Strand parece decidido a seu destino. Viva pela espada, morra pela espada, certo?

Claro, isso vai contra o que escrevi na semana passada em minha revisão de 'Mãe,' quando disse que Strand poderia muito bem acabar salvando o mundo. Não. Eu estava errado. Ele não vai. E Medo esbanja um arco de redenção perfeitamente bom no processo. Se alguém precisa de redenção, não é uma doninha de duas caras que serve a si mesma como Victor Strand?

Medo também desperdiça uma premissa potencialmente boa nesta semana - a saber, o ataque ao submarino encalhado. O episódio vai longe para informar os telespectadores que a equipe de Morgan terá que batalhar seu caminho através de quase 150 membros da tripulação mortos-vivos para evitar que Teddy lance as armas nucleares do submarino. Mas, em vez de um nível tenso e cheio de ação saído de um videogame zumbi, o que temos é um exercício rotineiro de matar cadáveres cambaleantes.


No final, Morgan falha em frustrar o plano do juízo final de Teddy. Um único míssil armado com 10 ogivas nucleares é lançado e apenas Riley sabe onde eles atacarão. Como eu disse no início da minha análise, eu me pergunto para onde a temporada pode ir a partir daqui. Será que o final da próxima semana realmente choverá destruição e dará início a um novo tipo de apocalipse? Ou faz Medo tem um último truque na manga - um que não enganará os espectadores com um tipo barato deDeus da maquina?

Eu certamente espero que sim. A 6ª temporada teve sua cota de altos e baixos. Ele merece sair com um estrondo - e talvez algumas nuvens em forma de cogumelo também.